Please use this identifier to cite or link to this item: https://observatorio.fm.usp.br/handle/OPI/14810
Title: Updating technology of shunt valves
Authors: OLIVEIRA, Matheus Fernandes dePEREIRA, Renan MuralhoPINTO, Fernando Gomes
Citation: MEDICALEXPRESS, v.1, n.4, p.166-169, 2014
Abstract: Cerebrospinal fluid shunts are one of the greatest advances of modern neurosurgery and represent a shift in the treatment of hydrocephalus. The underlying physical principle is quite simple and consists of diverting the flow of cerebrospinal fluid to either intracranial structures, jugular system, right heart atrium, pleura, peritoneum or to other natural cavities, such as the omental bursa and even the bladder. All systems operate by means of a differential pressure between the proximal catheter and distal catheter and are composed of ventricular and distal catheters, and a valve, which is the device that allows unidirectional cerebrospinal fluid flow. Current valve technology allows control of the shunt through regulation of drainage pressure, flow regulation or anti-siphon devices. There are valves with low, medium and high pressure designed to open and allow the flow out of CSF when the intraventricular pressure rises above the opening pressure. In contrast to fixed pressure and programmable pressure, valves with flow regulation attempt to maintain constant flow despite changes in the fluid pressure and patient position. Anti-siphon devices are used to avoid the siphon effect and prevent under- or over-drainage of fluid. We discuss briefly the current aspects of hydrodynamics and update valve technology.

RESUMO Derivações liquóricas são um dos maiores avanços da neurocirurgia moderna e representam uma mudança no tratamento da hidrocefalia. O princípio físico básico é muito simples e consiste em desviar o fluxo do líquido cefalorraquidiano, para estruturas intracranianas, sistema jugular, átrio direito do coração, pleura, peritônio ou para outras cavidades naturais, tais como a bolsa omental e até a bexiga. Todos os sistemas funcionam por meio da pressão diferencial entre o catéter proximal e o distal e são compostas de catéteres ventricular e distal, além de uma válvula, que é o dispositivo que garante fluxo unidirecional de líquido cerebrospinal. A tecnologia atual compreende válvulas de controle do shunt através de regulação da pressão, do fluxo, além de dispositivos anti-sifão. Existem válvulas de baixa, média e alta pressão concebidas para abrir e permitir o fluxo de FCS quando a pressão intraventricular sobe acima da pressão de abertura. Em contraste dispositivos de pressão fixa ou de pressão programável, as válvulas de regulação de fluxo funcionam para manter constante o fluxo apesar de variações na pressão de fluido e posição do paciente. Dispositivos anti-sifão utilizados para evitar o efeito de sifão e evitar sub- ou sobre-drenagem de fluido. Discutimos brevemente os aspectos atuais da hidrodinâmica e tecnologia de válvulas de atualização.
Appears in Collections:

Artigos e Materiais de Revistas Científicas - HC/IPq
Instituto de Psiquiatria - HC/IPq


Files in This Item:
File Description SizeFormat 
art_OLIVEIRA_Updating_technology_of_shunt_valves_2014.PDFpublishedVersion (English)94.31 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.